SIDEBAR
»
S
I
D
E
B
A
R
«
O SURREALISMO
jun 14th, 2019 by Sardinha

Surrealismo

       Iniciado em 1924 na França  –  primeiramente na literatura , fruto do Dadaísmo , por André Breton – tem em Salvador Dali seu principal representante na pintura .

Trata-se de uma arte de vanguarda , inspirada no negativismo da tradição e no desprezo ao passado.

É uma arte primitiva , contra a lógica , valorizando a imaginação . O artista deve despojar-se de toda experiência vital e , partindo da estaca zero, deve reproduzir o que lhe ocorre no espírito , sem que a inteligência crítica dirija a inspiração artística .

A pintura surrealista tem um caráter onírico, isto é , reprodução de sonhos. Pintura feérica , parece haver um espaço interior muito profundo , dando a impressão de que podemos andar para dentro do quadro .

Além de Salvador Dali , podemos ainda citar Paul Delvaux , Juan Miró , Ernest e outros .

Criar Hábito
jun 12th, 2019 by Sardinha

Como aprendemos – parte 2
jun 12th, 2019 by Sardinha

Como aprendemos
jun 12th, 2019 by Sardinha

Como desenvolver o hábito de estudar todos os dias?
jun 12th, 2019 by Sardinha

Como aprender …. a aprender
jun 12th, 2019 by Sardinha

ARTE ROMÂNICA
jun 11th, 2019 by Sardinha

ARTE ROMÂNICA

      O período românico estendeu-se do século X até meados do século XII. Neste período a igreja cristã buscou afirmar-se como poder na sociedade e teve como principal instrumento de poder o uso de pedras na construção de suas igrejas.

Sua área de influência foi Itália, a Gália – principalmente Provença – a Espanha, com influência árabe, a Alemanha e a Bretanha.

A arquitetura dos templos religiosos retratava monumentalidade, solidez e durabilidade. As grandes construções tiveram os seus alicerces identificados com Cristo, que refletia a fortaleza do mundo feudal. As torres presentes nas igrejas foram identificadas como a representação do vínculo entre Deus e os homens.

A escultura deste período faz parte da estrutura da igreja, aparecendo nas fachadas em relevo, assumindo aspectos de pilares de sustentação. A função das esculturas era doutrinar, uma vez que assumiam aspectos narrativos, reproduzindo passagens bíblicas. Integrando-se à arquitetura, possuíam motivos humanos, animais ou geométricos, sem nunca abandonar características simbólicas.

A pintura foi utilizada em afrescos, painéis, ilustrações e pergaminhos. Possuía um traço firme e contínuo e cores intensas, apresentando sempre um caráter doutrinador.

Principais características:

Arquitetura – Abóboda em substituição ao telhado das basílicas;

Aberturas raras e estreitas terminam em arco pleno e ornadas por colunelos;

Torres, que aparecem no cruzamento das naves ou na fachada; às vezes, são

Separadas do corpo da igreja.

Pintura – Técnica pobre, figuras com articulações quebradas, uniformes, corpos longos    e

Curvos para a frente.

Escultura – Imitação de formas rudes, figuras curtas ou alongadas, ausência de movimentos

Naturais.

 

OS PINTORES DE NASSAU
jun 11th, 2019 by Sardinha

Os Pintores de Nassau

 

Não foi exatamente como se Rembrandt ou Rubens tivessem desembarcando nos tópicos. Mas foi quase. Seis pintores faziam parte da comitiva que Maurício de Nassau trouxe para Recife. Todos tinham casa e comida, salário fixo e muito trabalho pela frente: seriam os primeiros pintores a registrar a exuberante natureza do Novo Mundo. A obra e mesmo o nome de um deles se perderam na história. Pierre de Gondreville produziu pouco e Cornelis Golijath era mais cartógrafo do que propriamente um artista. Zacharias Wagener, mero soldado raso a serviço da Cia das Índias Ocidentais, não constava da lista oficial. Mas, desde sua chegada no Brasil, em 1634, esse alemão de Dresden demonstrou muita habilidade e um interesse permanente pela natureza do país. Promovido a “dispenseiro-escrevente” e a escrivão particular de Nassau, Wagener, simples “pintor de domingo”, acabou produzindo centenas de aquarelas e litogravuras dos animais brasileiros. Ao retornar para a Europa, em 1643, levava consigo os originais do “Thierbhch”, ou Livro dos Animais, uma espécie de versão popular da História Naturalis Brasilae, de Marcgraf. Mais do que isso: a obra de Wagener teve grande influência sobre Albert Eckhout. E, junto com Frans Post, Eckhout foi um gênio da arte no Brasil.

Albert Eckhout nasceu em Groningen, na Holanda, em 1610. Viveu no Brasil dos 27 anos aos 34 anos de idade. Sentava-se à mesa do jovem conde, que chegou ao país com 33 anos, em companhia de Frans Post, dois anos mais moço do que Nassau. Eckhout foi um pintor naturalista com excepcional domínio do desenho de modelos vivos, dono de um estilo altamente individual e detalhista, disposto a documentar tipos humanos, plantas e animais que os europeus jamais haviam visto – e, portanto, nunca haviam retratado. Eckhout era fascinado pelo exótico. Seus retratos em tamanho natural de índios, mamelucos e negros, porém, lhes concede, além de rigor antropológico e etnográfico, uma grande dose de altivez e dignidade: Eckhout pintou indivíduos, não meros exotismos tropicais. Sua obra foi magnificamente complementada pela de Frans Post, cultuou das paisagens brasileiras que deixou fascinar pela luminosidade e pelo viço dos tópicos – elementos que tão bem soube capturar em suas telas. Ao retornar para a Europa, Nassau doou os quadros de Post ao rei Luis XIV, da França, e os de Eckhout para Frederico III, da Dinamarca. O encanto que eles despertaram então permanece inalterados mais de 350 anos depois.

ALEIJADINHO – DOCUMENTÁRIO
jun 3rd, 2019 by Sardinha

A HISTÓRIA DO BRASIL – DOCUMENTÁRIO
jun 3rd, 2019 by Sardinha

SIDEBAR
»
S
I
D
E
B
A
R
«
»  Substance: WordPress   »  Style: Ahren Ahimsa